Sábado, 21 de outubro de 2017 

 

APH e Resgate


Atendimento Pré-Hospitalar - APH e Resgate
Atendimento Pré-Hospitalar é o conjunto de procedimentos técnicos realizados no local da emergência e durante o transporte da vítima. O objetivo é mantê-la com vida e em situação mais próxima possível da normalidade até sua chegada a unidade hospitalar. Alguns exemplos são as ações ligadas ao socorro: controlar hemorragia, manter livres as vias aéreas, imobilizar fratura etc.
Resgate é o grupo de providências técnicas para a retirada de vítimas de locais de onde não conseguem sair por si e sem risco. Exemplos: vítima libertada das ferragens de um carro, de um edifício em chamas, de um poço etc.
Por vezes, o Atendimento Pré-Hospitalar e o Resgate são praticados ao mesmo tempo, terminando por causar certa confusão entre os termos.



Parada Cardiorespiratória

PCR é a interrupção súbita da atividade mecânica ventricular, útil e suficiente, e da respiração.
Modalidades
      FIBRILAÇÃO VENTRICULAR: é a contração incoordenada do miocárdio em conseqüência da atividade caótica de diferentes grupos de fibras miocárdicas, resultando na ineficiência total do coração em manter um rendimento de volume sangüíneo adequado.
      TAQUICARDIA VENTRICULAR SEM PULSO: é a sucessão rápida de batimentos ectópicos ventriculares que podem levar a acentuada deterioração hemodinâmica, chegando mesmo a ausência de pulso palpável.
     ASSISTOLIA: é a cessação de qualquer atividade elétrica ou mecânica dos ventrículos.
     ATIVIDADE ELÉTRICA SEM PULSO: é caracterizada pela ausência de pulso detectável na presença de algum tipo de atividade elétrica, excluindo a Taquicardia e a Fibrilação Ventricular.



Diabetes

O que é diabetes?

Diabete é uma doença , quando seu corpo torna-se incapaz de usar e armazenar glicose (um tipo de açúcar). É quando o pâncreas fabrica pouca ou nenhuma insulina, e com isso a taxa de açúcar no sangue sobe muito.
Há dois tipos de diabetes: Tipo I, (também chamada juvenil ou insulino dependente), quando o corpo para completamente de fabricar insulina (hormônio que torna seu corpo capaz de transformar alimentos em glicose). Pessoas com esse tipo de diabetes necessitam tomar injeções de insulina diariamente. Esta forma de diabetes é mais freqüente em crianças ou jovens, mas pode ocorrer em qualquer idade. Tipo II (também chamada de não insulino dependente ), quando o corpo ainda produz insulina, mas não o suficiente. Esta forma de diabetes normalmente ocorre em pessoas acima de 40 anos, com peso acima do normal, e, ou, histórico de diabetes na família.

Como as pessoas sabem que estão diabéticas?
Pessoas com diabetes passam a sentir sintomas, tais como: muita sede, vontade de urinar diversas vezes, perda de peso, fome exagerada, visão embaçada, infecções da pele, machucados que demoram para cicatrizar, ou fadiga (cansaço inexplicável).
Em alguns casos não há sintomas. Isto ocorre com maior freqüência no diabetes tipo II. Neste caso podem passar muitos meses ou até anos para a pessoa descobrir a doença.


Quem adquire diabetes?
Qualquer pessoa pode adquirir diabetes. Porém, com maior propensão à doença, temos:
Pessoas com histórico de diabetes na família, acima de 40 anos e obesas, descendentes de Afro-Americanos, Hispânicos ou Asiáticos, mulheres grávidas (diabetes durante a gestação), e que talvez voltem a adquirir a doença quando mais velhas.


Como é tratada a diabetes?
Para as pessoas com diabetes I ou II, obterem uma vida saudável, existem certos procedimentos a serem seguidos: alimentação planejada, de preferência por nutricionista, ou pelo médico; praticar exercícios, pois eles ajudam no melhor aproveitamento da insulina, fazendo com que a glicose seja melhor utilizada pelas células; diabéticos tipo I, e alguns que têm tipo II, também precisam tomar insulina. Pessoas com diabetes tipo II necessitam de "agentes orais" (comprimidos); outros necessitam somente perder peso e praticar exercícios, sem nenhuma medicação.
As pessoas que têm diabetes devem consultar um endocrinologista, ao menos duas vezes ao ano. Ter um nutricionista que planeje a alimentação. Um fisiologista para desenvolver exercícios adequados. Em alguns casos, um psicólogo que ajude aqueles com dificuldade em conviver com uma doença crônica. É muito importante também consultar o oftalmologista para o caso de surgir qualquer problema de visão associado à diabetes, que descoberto à tempo, pode ser tratado antes que se agrave.
É também importante para essas pessoas, monitorar seu açúcar no sangue diariamente. Este
teste diário tem como objetivo, verificar se o planejamento alimentar, os exercícios, e os medicamentos estão mantendo um nível satisfatório de açúcar no sangue.


O que mais pode causar a diabetes?
Se você não seguir as recomendações acima, a diabetes pode trazer graves conseqüências, tais como: ataque do coração, derrame, cegueira, complicação nos rins, complicações vasculares, que pode até resultar em amputação, afetar os nervos, e impotência em alguns homens.
Mas felizmente, após um estudo feito durante 10 anos ou mais, chegou-se à conclusão que o diabético que mantiver o açúcar no sangue, o mais perto do normal possível, reduz o risco de desenvolver estas complicações em 50% ou mais.


A diabetes pode ser evitada?
Talvez algum dia. Há estudos sendo realizados para proteger os parentes diretos do diabético tipo I. Já é possível identificar aqueles que irão desenvolver a doença, daqui alguns anos.
O tipo II de diabetes, que é o mais comum, ainda não é inteiramente compreensível. Porém pesquisas feitas recentemente, ajudam pessoas com propensão à doença, a se prevenirem, tais como: parentes diretos, quem teve diabetes durante a gestação, ou membros dos grupos étnicos.
Outra pesquisa está sendo feita com o objetivo de prevenir o diabetes tipo II em qualquer pessoa. Mudanças no comportamento (mais exercícios, emagrecer), e certos medicamentos estão sendo testados.


Diabetes e Emergências...

Esquecer a Insulina

Em primeiro lugar, se alguém necessita de insulina para sobreviver (diabetes tipo 1), DEVE tomar corretamente suas injeções, para que não chegue a um estado estressante, conhecido como cetoasidose diabética.
Um paciente com diabetes deve ter sempre insulina à sua disposição (no trabalho, é importante guardá-la na geladeira) e também deve ter um frasco extra à mão. Todavia, a insulina não precisa necessariamente ficar na geladeira, pode simplesmente ficar em lugar seco e frio.
Se uma pessoa com diabetes tipo 1 esquece de tomar uma injeção de insulina, mas de certa maneira está bem, ela pode aguentar por algumas horas. Porém, se esquecer diversas doses durante um longo período, pode levar a rigorosa falta de insulina. O que pode acarretar a inabilidade do corpo de controlar apropriadamente o processamento e uso dos carboidratos, proteinas, e gorduras.
O açúcar fica extremamente alto (hiperglicemia). Em resumo, o metabolismo deste paciente se torna desordenado ao ponto de necessitar hospitalização. No caso de emergência, se não houver insulina disponível, a pessoa deve ser mantida quieta, bem hidratada, e livre de qualquer stress (se possível).
O grupo de resgate deve ser alertado para que esse paciente seja logo atendido. É importante que pessoas diabéticas usem algum tipo de identificação que diga sua condição de saúde. No caso de pessoas diabéticas que não usam insulina, não há tanta urgência em tratá-los imediatamente. Eles também devem ser mantidos hidratados, calmos, e aquecidos até que chegue ajuda.
Lembre também que com diabetes, a capacidade de cicatrização de cortes ou feridas é menos eficiente, e muitas vezes outras doenças como doença do coração e pressão sangüínea alta, co-existem nesses indivíduos.


Tomar Medicamentos sem Alimentos Acessíveis.
Outra situação ocorre quando o paciente com diabetes toma insulina ou medicamento oral, e não há comida acessível. Nesses casos, o açúcar no sangue pode baixar muito (hipoglicemia). “Reação da Insulina” não é o termo ideal para descrever essa reação, porque pessoas que só tomam pílulas também podem ter os mesmos sintomas.
Sinais físicos e sintomas de hipoglicemia, como confusão, irritação, sudorese, tremedeira, incoerência e tontura podem ocorrer, principalmente em ambiente estressante. A hipoglicemia, na sua forma mais severa, pode levar à perda da consciência. Se muito prolongada, pode levar à morte.
A única forma de tratar a hipoglicemia, é dar à pessoa carboidratos. Quanto mais simples for o carboidrato, melhor. Por exemplo, pão e chocolate levam muito tempo para serem absorvidos se comparados aos tabletes de açúcar ou uma bala dura doce. Metade de um copo de suco com açúcar ou refrigerante sem ser diet também agem adequadamente. Demora de 10 a 15 minutos para a pessoa melhorar.
Em casos de sintomas severos de hipoglicemia, pessoas que convivem no trabalho ou em casa com a pessoa diabética devem ser treinados para aplicar uma injeção de glucagon.


Viagem de Avião e Medicamentos para Diabetes.
Outra preocupação para os pacientes com diabetes é viajar de avião e levar os medicamentos e outros suprimentos. Cartas dos médicos não são recomendadas, pois a segurança acha que podem ser falsificadas. Atualmente, a maneira recomendada de viajar de avião com os medicamentos e equipamentos, como insulina, seringas, lancetas e glucagon é que todos os remédios e suprimentos tenham a etiqueta original da farmácia.
Para pacientes que usam a bomba de insulina, parece que não há problema, pois são fornecidos aos encarregados da segurança todos os detalhes o êmbolo, o tubo, etc...
A melhor maneira de cuidar apropriadamente da diabetes é a informação. Converse com seu médico sempre que tiver dúvidas.



Convulsão

Contração incoordenada e involuntária da musculatura, acompanhada, na maioria das vezes, de perda da consciência.

Causas da convulsão:
• epilepsia
• trauma
• tumores cerebrais
• febre elevada em crianças menores de 6 anos
• enfermidades infecciosas
• outras
A causa mais comum, no entanto, é a Epilepsia.
Além das contraturas, a vítima apresenta respiração ruidosa e forçada, dentes fortemente cerrados e perda de saliva na forma de espuma.
Como não há movimento de deglutição durante a convulsão, existe acúmulo de saliva na boca. Os dentes cerrados, a respiração irregular e a boca cheia de saliva resultam na perda desse líquido sob a forma de espuma e uma respiração ruidosa.
Além disso, durante a convulsão há relaxamento do esfíncter anal e uretral. Se a bexiga estiver repleta de urina ou o reto com fezes, poderá ocorrer eliminação involuntária dessas secreções.
• Ação de um socorrista no Suporte Básico à Vida:
• De imediato, afaste a pessoa de objetos próximos para que não venha a se ferir. Como é mais difícil mover a vítima, recomenda-se afastar de si os objetos.
• Proteja a cabeça e mantenha-a deitada lateralmente durante a crise para facilitar a drenagem da saliva para fora da boca, conservando limpas as vias aéreas.
• Não faça restrição aos seus movimentos, apenas impeça que ela venha a se ferir com movimentos amplos.
• Nada deve ser introduzido entre seus dentes. Este era um procedimento muito comum no passado, mas atualmente totalmente abandonado e contra indicado.
• Quando os movimentos desaparecerem verifique imediatamente a respiração. A convulsão em crianças com freqüência é seguida de parada respiratória, solucionada com um ou dois movimentos de respiração boca-a-boca.
• A seguir, mantenha-a confortável e sempre deitada. Caso ela queira dormir por alguns minutos, reação normal após o grande esforço, deixe-a descansar. Toda pessoa que apresenta convulsão, mesmo em tratamento, deverá ser encaminhada ao médico.
• Deve-se também estar atento para a repetição da convulsão. Nesse caso, a vítima precisa ser levada imediatamente ao médico.
• Lembre-se também que a convulsão pode durar de 30 segundos a 2 minutos. Caso não termine após este tempo, procure imediatamente um médico.

O que fazer durante a crise:
• proteção geral
• proteção da cabeça
• lateralizar se possível
• não introduzir objetos na boca
E após a crise:
• verificar a respiração
• repouso
• apoio e privacidade
• atendimento médico

A falta de conhecimento sobre a aplicação dos primeiros socorros pode ser fatal para um acidentado ou um doente . Agir corretamente até a chegada e um médico pode significar a diferença entre a vida e a morte IMPORTANTE :O atendimento de emergência deve ser feito apenas por pessoas treinadas!!!



DST e AIDS

AS DST são doenças transmitidas por meio da relação sexual, seja de homem com mulher, homem com homem ou mulher com mulher. Em geral, a pessoa infectada transmite a DST para seus parceiros, principalmente quando acontece penetração.
Ao contrário do que muita gente pensa, as DST são doenças graves que podem causar disfunções sexuais, esterilidade, aborto, nascimento de bebês prematuros com problemas de saúde, deficiência física ou mental, alguns tipos de câncer e até a morte. Uma pessoa com DST também tem mais chance de pegar outras DST, inclusive a aids.
 
Quem pode pegar DST?

• Quem tem relações sexuais sem camisinha;
• Quem tem parceiro que mantém relações sexuais com outras pessoas sem camisinha;
• Pessoas que usam drogas injetáveis e compartilham seringas;
• Pessoas que têm parceiros que usem drogas injetáveis, compartilhando seringas;
• Pessoas que recebem transfusão de sangue não testado;
• Qualquer um - casados, solteiros, jovens, adultos, ricos ou pobres - pode pegar DST.

Quais os principais sinais das DST?

Feridas (úlceras): aparecem nos órgão genitais ou em qualquer parte do corpo. Podem doer ou não.
Corrimentos: aparecem no homem e na mulher no canal da uretra, vagina ou ânus. Podem ser esbranquiçados, esverdeados ou amarelados como pus. Alguns têm cheiro forte e ruim. Tem gente que sente dor ao urinar ou durante a relação sexual. Nas mulheres, quando o corrimento é pouco, só é visto em exames ginecológicos.
Verrugas: são como caroços; podem parecer uma couve-flor quando a doença está em estágio avançado. Em geral não dói, mas pode ocorrer irritação ou coceiras.

Quais os principais sintomas das DST?

Ardência ou coceira: mais sentidas ao urinar ou nas relações sexuais. Há pessoas que sentem as duas coisas, outras somente uma e muitas pessoas não sentem nada e, sem saber, transmitem DST para seus parceiros.
Dor e mal-estar: embaixo do umbigo, na parte baixa da barriga, ao urinar, ao evacuar ou nas relações sexuais.

Como tratar as DST?

• Faça apenas o tratamento indicado por um profissional de saúde, não aceite indicações de vizinhos, parentes, funcionários de farmácias etc.
• Siga a receita e tome os remédios na quantidade certa e nas horas certas.
• Continue o tratamento até o fim, mesmo que não haja mais sinal ou sintoma da doença.
• Todos os parceiros de quem está com DST devem ser conscientizados e fazer o tratamento, senão o problema continua.
• Deve-se evitar relações sexuais durante o tratamento. Em último caso, use sempre camisinha.
• Peça também para fazer o teste da aids. É melhor sempre se prevenir.

Serviços que atendem casos de DST
O que são os serviços que atendem DST? São serviços de saúde que pertencem ao Sistema Único de Saúde (SUS) e que contam com profissionais de saúde capacitados na Abordagem Sindrômica das DST, podendo ou não contar com estrutura laboratorial, promovendo a assistência clínica e o tratamento adequado, a prevenção, o fornecimento de preservativos e aconselhamento para testagem para o HIV.
A aids, ou Síndrome da Imunodeficiência Adquirida, é provocada pelo HIV que se encontra no sangue, no líquido claro que sai do pênis antes da ejaculação, no esperma, na secreção vaginal, no leite da mãe e em objetos infectados por essas substâncias.
A pessoa pode ter o HIV e não ter aids, a doença pode levar até 10 anos para aparecer. Quando alguém tem aids, o HIV destrói as células de defesa do corpo, os chamados glóbulos brancos, o organismo enfraquece e várias doenças podem se manifestar, são as chamadas doenças oportunistas.
O portador do HIV, mesmo não tendo aids, pode transmitir o vírus. Por isso, a importância da camisinha em todas as relações sexuais. Além disso, deve ser acompanhado por um profissional de saúde, que irá orientá-lo e indicar quando deve ser iniciado o tratamento com os anti-retrovirais.

Como saber se tenho?
      Os sintomas da aids podem demorar até dez anos para aparecer, por isso não adianta ficar esperando pelos sintomas da aids. Se você fez sexo sem camisinha, compartilhou seringa com outra pessoa, é profissional de saúde e já passou por acidente com materiais perfurocortantes, faça o teste anti-HIV. Quanto mais cedo for diagnosticado o vírus da aids e se iniciar o tratamento adequado, maior será sua qualidade de vida.
Mas lembre-se que o teste só deve ser feito após a "janela imunológica" (até 3 meses após a exposição), período que o corpo leva para produzir anticorpos que possam ser detectados.
Os exames mais utilizados são o Elisa, o Western-blot e a Imunofluorescência indireta.
Também existe o teste rápido, que revela o resultado em 3 minutos.



Desmaio

Definição:
desmaio ou desfalecimento é a perda súbita e temporária da consciência.

Causas:
pode ser ocasionado por falta de alimentação adequada (hipoglicemia), fator emocional, debilidade orgânica, fadiga, problemas cardíacos e cerebrais etc. Além da inconsciência, a vítima pode apresentar sudorese fria.

Conduta:
na fase da inconsciência, proceder exatamente como na avaliação primária (verificar consciência, respiração e pulso). Veja Avaliação Primária em Textos Técnicos
-manter o ambiente ventilado
-afrouxar as roupas do tórax e abdome
-elevar membros inferiores
-recobrada a consciência, pode ser dado água com açúcar (não é obrigatório)
-oriente a pessoa a procurar um médico

Tontura:
com muita frequência, antes de desmaiar uma pessoa pode sentir tontura, escurecimento da visão e palidez. Por vezes nem chega a desmaiar. Nestes casos, a vítima deve ser colocada sentada com o corpo inclinado para frente e a cabeça mais baixa que o tórax. Nesta posição haverá um melhor fluxo sanguíneo cerebral fazendo com que os sintomas melhorem. Procure sempre um médico para as orientações definitivas.

Comentários finais:
como sempre, a Avaliação Primária, em toda sua seqüência, é fundamental para a certeza da existência de respiração, de pulso e se não há ferimento importante. Durante a fase de inconsciência, não sabemos se a vítima acordará ou não. Nesta fase, podemos estar diante de um derrame cerebral, problema cardíaco etc. Apenas após o despertar da vítima será possível afirmar se ocorreu o desmaio.


 

 

Nós da Anjos Emergência estamos preparados para atendê-lo, sempre que houver necessidade.

11 2675-9673 / 2674-7398

 

 
11 2675-9673
11 2674-7398

 
H1N1
Lei Antifumo
Prevenindo Pelo Alimento
O Parto
Histórico dos Transplantes de Medula Óssea

 


 
 
Anjos Emergência e Remoção 24 horas
Rua Cândido Lacerda, nº95 - CEP: 03336-010
Tatuapé - São Paulo - SP

Central de Atendimento: 11 2675-9673 / 2674-7398